RSS

Arquivo mensal: abril 2013

Túnel Santos-Guarujá: Obra começa em 2014

Construção da megaestrutura usará técnica inédita no Brasil e levará à interdição do Porto de Santos por pelo menos cinco dias.

O governo do Estado assinou contrato com a empresa holandesa Royal Haskoning, especializada na construção de túneis submersos, para a análise do projeto que está sendo feito do túnel que ligará a baia de Santos ao Guarujá.

tunel-1

Segundo Laurence Casagrande Lourenço, presidente da Dersa, o projeto deverá estar concluído até o fim deste ano e as obras estão previstas para início no ano que vem.

A ligação por um túnel entre as duas cidades é imaginada há quase 80 anos. Os túneis terão espaço para carros, ônibus, caminhões e também pedestres e bicicletas. A obra deve aliviar a operação das nove balsas que fazem a ligação entre as duas cidades, mas os planos da Dersa (que também opera as barcaças) são de mantê-las em operação quando o túnel estiver aberto.

tunel-2

O Túnel Imerso Santos-Guarujá terá 900 metros de extensão com profundidade mínima de 21 metros e três faixas de rolagem por sentido.

A estrutura de concreto armado também terá espaço para pedestres e ciclistas, além de ser compatível com o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que será implantado em Santos.

Tunel 3-1

Tunel 3-2

Tunel 3-3

Tunel 3-1Tunel 3-4

Fonte: O Estado de São Paulo
Créditos: William Mariotto

LOGO 2013-02

Anúncios
 

Tags: , , , , ,

Fábrica Weishaupt – Indaiatuba, SP

Weishaupt – Uma indústria de origem alemã que fabrica queimadores para sistemas de aquecimento.

No Brasil, a Weishaupt conta com a linha de montagem, estoque, centro de distribuição, serviço de assistência técnica e escritórios no conjunto industrial instalado em Indaiatuba, cidade paulista a cerca de cem quilômetros da capital.

Fábrica Indaiatuba - Fachada envidraçada

São raras as vezes em que o cliente é tão ligado à linguagem estética quanto o próprio arquiteto.  O proprietário da Weishaupt é uma dessas exceções, e não só sabe valorizar os bons projetos, como tem seu nome associado à arte e ao design: é também dono de um museu de arte contemporânea na cidade de Ulm, na Alemanha.

A arquitetura também está entre as prioridades do industrial, que no início da década de 1990 escolheu o norteamericano Richard Meier (Pritzker de 1984) para projetar a sede da Weishaupt, em Schwendi, poucos quilômetros ao sul de Ulm.  E a mesma preocupação com a qualidade do projeto pode ser identificada na arquitetura das filiais pelo mundo.

Croqui e Foto

O projeto da unidade brasileira foi desenvolvido por Roberto Loeb e Luís Capote, que viajaram para conhecer outras instalações da Weishaupt antes de dar início ao trabalho.  “Na maioria das vezes não são exatamente fábricas, são mais unidades de montagem e distribuição. E aqui no Brasil também é assim”, descreve Loeb.

O conjunto é relativamente pequeno – soma cerca de 3 mil metros quadrados – e divide-se em três volumes principais dispostos em semicírculo e interligados por uma marquise curva de frente para a praça de acesso.

À direita da praça fica o edifício de escritórios, um pavilhão com dois pavimentos e estrutura de concreto.  Suas fachadas principais são envidraçadas, abertas para o vale e para a rodovia, enquanto as empenas laterais cegas apresentam revestimento com painéis de alumínio composto (ACM) na cor branca.

0100 planta

0101 planta

0102 planta

A logomarca recortada, instalada sobre o prédio, atrai a atenção e pode ser vista a distância.  Segundo Loeb, esse posicionamento repete a forma com que os alemães gostam de identificar suas empresas.  “No Brasil é mais comum ver as logomarcas sobrepostas às fachadas, mas na Alemanha eles normalmente as colocam em cima da construção”.

Fábrica Indaiatuba - Painéis de alumínio

Os interiores dos escritórios também são simples e adotam soluções funcionais, como piso de granito nas circulações, piso elevado revestido por carpete nas áreas de trabalho e forro modular acústico.

O volume central é a caixa com faces principais envidraçadas e empenas laterais em ACM branco. Com pé-direito de seis metros e ambientação high tech definida pelos equipamentos e dutos aparentes, ela concilia as funções de showroom e sala de testes.

Espartana, a edificação dispensa qualquer elemento sem função e tornou-se a principal referência arquitetônica do conjunto.

Fábrica Indaiatuba - Caixilhos metálicos

O edifício possui ainda subsolo com eficiente processo de exaustão para abrigar com segurança todos os sistemas necessários ao funcionamento dos queimadores, tais como geradores, tanques de gás e combustíveis.

À esquerda da praça, o terceiro volume é o galpão industrial, com estrutura de concreto e fechamento vertical e cobertura com telhas termoacústicas metálicas. Algumas telhas na vedação lateral são perfuradas, o que assegura vista para o exterior e ventilação cruzada constante, enquanto faixas translúcidas na cobertura oferecem iluminação natural ao interior.

O galpão se divide em área para recebimento de mercadorias, estoque, montagem, reposição e manutenção. O pé-direito elevado permitiu a criação de um mezanino para acomodar os escritórios dos técnicos, deixando todo o térreo disponível para as atividades operacionais. A laje de concreto do piso tem 20 centímetros de espessura e recebeu acabamento em epóxi.

As exigências quanto à facilidade de limpeza orientaram a escolha dos revestimentos nessa área, levando ao uso 1 de piso cerâmico no térreo e em epóxi cinza no subsolo.

As peças que a empresa fabrica combinam funcionalidade e design, binômio que as aproxima dos conceitos da escola de design de Ulm, a sucessora da Bauhaus.

Ficha Tecnica 2
Fonte:  PROJETODESIGN Edição 377 Julho de 2011 – Texto de Nanci Corbioli
Projeto: Roberto Loeb e Luís Capote – Escritório Roberto Loeb e Associados

LOGO 2013-00

 

Tags: , , , , , , , ,

MAR – Museu de Arte do Rio

O MAR – Museu de Arte do Rio, inaugurado em março/2013 na Praça Mauá, zona portuária da cidade, é a mais nova instituição museológica carioca.

Complexo formado por dois prédios, o Palacete D. João VI, de 1916, e um edifício do início da década de 1940, o museu tem como marca arquitetônica uma grandiosa cobertura ondulada feita com 800 toneladas de concreto que une as duas construções.

Picture1

O Palacete inaugurado em março de 2013 vai abrigar as salas de exposição do museu. O prédio vizinho vai abrigar a Escola do Olhar, que será um ambiente para produção e provocação de experiências, coletivas e pessoais, com foco principal na formação de educadores da rede pública de ensino.

Picture2

O elemento de 1,7 mil m², grande destaque da obra dos arquitetos Thiago Bernardes, Paulo Jacobsen e Bernardo Jacobsen, responsáveis pelo projeto arquitetônico do Museu de Arte do Rio, surgiu somente depois de uma primeira ideia, não concretizada, de unir os dois prédios com uma segunda fachada que se referia a uma rede.

Picture3

O complexo do museu engloba 15 mil metros quadrados e inclui oito salas de exposições e cerca de quatro mil metros quadrados, divididos em quatro andares; a Escola do Olhar e áreas de apoio técnico e de recepção, além de serviços ao público. Os dois prédios que formam a instituição serão unidos por meio de uma praça, uma passarela envidraçada e cobertura fluida, em forma de onda – o traço mais marcante da caligrafia dos arquitetos – transformando-os em um conjunto harmônico.

Picture4

O MAR terá atividades que envolvem coleta, registro, pesquisa, preservação e devolução à comunidade de bens culturais – sob a forma de exposições, catálogos, programas em multimeios e educacionais, como recomenda a UNESCO.

Picture5

Picture6

Funcionará como um espaço proativo de apoio à educação e trabalhará em parceria com a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e outras secretarias de Educação.  A Escola do Olhar terá um programa acadêmico, desenvolvido em colaboração com universidades, para discutir arte, cultura da imagem, educação e práticas curatoriais.  A missão do MAR, sua agenda e programação, a formação de seu acervo e de sua biblioteca, a estruturação de programas educativos e a edição de material, entre outras atividades, serão definidas por um comitê cultural liderado pelo crítico de arte Paulo Herkenhoff, curador do museu. A expografia ficará a cargo de Leila Skaff e a identidade visual, de Jair de Souza.

Picture7

Picture8

Picture9

Fontes: O Estado de S. Paulo / Portal Portomaravilha

LOGO 2013-00

 

Tags: , , , , , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: