RSS

Coberturas Residenciais: Tipos e Características

Coberturas Residenciais:  Tipos e Características

1 – CONCEITO

As coberturas têm como função principal a proteção das edificações, contra a ação das intempéries, atendendo às funções utilitárias, estéticas e econômicas e devem preencher as seguintes condições:

a)    funções utilitárias: impermeabilidade, leveza, isolamento térmico e acústico;
b)    funções estéticas: forma e aspecto harmônico com a linha arquitetônica, dimensão dos elementos, textura e coloração;
c)    funções econômicas: custo da solução adotada, durabilidade e fácil conservação dos elementos.

Para a especificação técnica de uma cobertura ideal, o profissional deve observar os fatores do clima (calor, frio, vento, chuva, granizo, neve etc.), que determinam os detalhes das coberturas, conforme as necessidades de cada situação.
Entre os detalhes a serem definidos em uma cobertura, deverá ser sempre especificado, o sistema de drenagem das águas pluviais, por meio de elementos de proteção, captação e escoamento, tais como:

a)    detalhes inerentes ao projeto arquitetônico: rufos, contra-rufos, calhas, coletores e canaletas;
b)    detalhes inerentes ao projeto hidráulico: tubos de queda, caixas de derivação e redes pluviais.

2 – TIPOS DE COBERTURAS

De acordo com os sistemas construtivos das coberturas, suas características estruturai, técnica construtiva e materiais utilizados, podemos classificar as coberturas em:

2.1 – Naturais

a)    Coberturas Minerais: Utilizam materiais de origem mineral, tais como pedras em lousas (placas).  Muito utilizadas na antigüidade (castelos medievais) e mais  recentemente apenas com finalidade estética.  Normalmente requerem superfícies declividade acentuada (50% < d >100 %).  Atualmente, vem sendo substituída por materiais similares mais leves e com mesmo efeito arquitetônico (placas de compostos fibrocimento ou polímeros)

coberturas-01

b) Coberturas Vegetais (sapé):  São caracterizadas pelo uso  de folhas de árvores, depositadas e amarradas sobre estruturas de madeiras. São bastante comuns em residências sul-americanas, principalmente no Uruguai.

coberturas-02

c) Coberturas Orgânicas Beneficiadas: Utilizam tábuas corridas superpostas ou ainda, em chapas de compostos prensados de fibra natural betumados.

coberturas-03d) Coberturas com Membranas: caracterizadas pelo uso de membranas plásticas (lonas), assentadas sobre estruturas metálicas ou de madeiras ou atirantadas com cabos de aço – tensoestruturas, ou ainda, por sistemas infláveis com a utilização de motores insufladores.
e) Coberturas em Malhas Metálicas: caracterizadas por sistemas estruturais sofisticados, em estruturas metálicas articuladas, com vedação de elementos plásticos, acrílicos ou vidros.
f) Coberturas Tipo Cascas: caracterizadas por estruturas de lajes em arcos, em concreto armado, tratadas com sistemas de impermeabilização.
g) Terraços: estruturas em concreto armado, formadas por painéis apoiados em vigas, tratados com sistemas de impermeabilização, isolamento térmico e assentamento de material para piso, se houver tráfego.
h) Telhados: são as coberturas caracterizadas pela existência de uma armação -sistema de apoio de cobertura, revestidas com  telhas (materiais de revestimento). É o sistema construtivo mais utilizado na construção civil, especialmente nas edificações.

3 – COBERTURAS PLANAS

As coberturas planas são caracterizadas planos de cobertura, também denominados de panos ou águas de uma cobertura. Na maior parte dos casos, os planos de cobertura têm inclinações (α – ângulo) iguais e, portanto, declividades (d%) iguais.

Para α < ou =  75º, a área é identificada como cobertura.

Para α > 75º o revestimento é denominado fechamento lateral.

As coberturas horizontais têm inclinação entre 1 a 3% e as consideradas inclinadas tem caimento igual ou maior de 3%. Quanto à inclinação das coberturas, as mesmas podem ser classificadas em:

a)    coberturas com pequenas declividades, denominadas terraços;
b)    coberturas em arcos;
c)    coberturas planas em superfícies inclinadas, determinadas por painéis de captação d’água.

Os sistemas de apoio de coberturas planas podem ser executados em: madeira, metal ou concreto armado (podendo ser misto, também). A escolha e definição do material são determinadas pelas exigências técnicas do projeto, como o estilo, a função, o custo, vão de sustentação, etc. Quanto à definição estrutural, as armações de coberturas podem ser executadas com os seguintes sistemas:

a)    em Madeira:
Sistema de vigas e arcos treliçados em madeira maciça
Sistema de vigas e arcos treliçados em madeira colada
Sistema de treliças tipo tesouras
Sistema tipo cavalete

b)    em Metal:
Sistemas de vigas e arcos treliçados
Sistemas de estruturas especiais (treliças espaciais etc.)

c)    em Concreto Armado:
Sistemas de vigas pré-moldadas
Sistemas de pórticos
Sistemas de estruturas especiais integradas

4 – ELEMENTOS DO PROJETO ARQUITETÔNICO

Nos projetos arquitetônicos, a determinação dos planos de cobertura compõem e determinam a Planta de Cobertura, elaboradas nas escalas: 1:100, 1:200 ou 1:500. Neste elemento de arquitetura definem-se linhas divisórias, denominadas: espigão, água furtada, cumeeira e calhas.

Devem ser indicados por setas ortogonais aos lados do polígono de cobertura, a orientação da declividade dos panos. Junto da seta, deve ser especificada a Inclinação (angulo αº) que o plano de cobertura faz com a horizontal – ou Declividade – tangente trigonométrica da inclinação, indicada pela letra d (d = h/d = tag α %).

4.1 – Especificações do Projeto Arquitetônico

a)    Relação entre inclinação (αº) e declividade (d%):

coberturas-04b)    Altura das Cumeeiras, também chamada de Ponto de Cobertura – é a relação entre a altura máxima da cobertura e o vão.

Normalmente varia entre os limites de 1:2 a 1:8 nos telhados.

coberturas-05c)    Acabamentos Laterais de Coberturas:

1.    Oitão – elevação externa em alvenaria de vedação acima da linha de forro (pé-direito), que ocorrem com a eliminação das tacaniças (planos de cobertura de forma triangular, limitado pela linha lateral da cobertura e dois espigões);
2.    Platibandas – elevação de alvenarias acima da linha de forro, na mesma projeção das paredes, com objetivo funcional de proteção das coberturas;
3.    Beiradas – caracterizadas pela projeção das estruturas de apoio de cobertura além da linha de paredes externas, e a inexistência da execução de acabamento com forro;
4.    Beirais – caracterizados pela projeção das estruturas de apoio de cobertura alem da linha de paredes externas, com a execução de forros. Em algumas definições arquitetônicas, executam-se os prolongamentos das lajes de forro em balanço estrutural, além da linha de paredes externas.

d)    Detalhes Complementares
1.    elementos de captação de águas: canaletas, calhas e ralos;
2.    iluminação e ventilação zenital: clarabóias e domos.

5 – TIPOS DE TELHADOS

5.1 – Uma água (meia água)

Caracterizada pela definição de somente uma superfície plana, com declividade, cobrindo uma pequena área edificada ou estendendo-se para proteger entradas (alpendre)

coberturas-065.2 – Duas Águas

Caracterizada pela definição de duas superfícies planas, com declividades iguais ou distintas, unidas por uma linha central denominada cumeeira ou distanciadas por uma elevação (tipo americano). O fechamento da frente e fundo é feita com oitões.

coberturas-075.3 – Três Águas

Caracterizada como solução de cobertura de edificações de áreas triangulares, onde se definem três tacaniças unidas por linhas de espigões.

coberturas-08

5.4 – Quatro Águas

Caracterizada por coberturas de edificações quadriláteras, de formas regulares ou irregulares.

coberturas-09

5.5 – Múltiplas Águas

Coberturas de edificações cujas plantas são determinadas por superfícies poligonais quaisquer, onde a determinação do número de águas é definida pelo processo do triângulo auxiliar.

 

6 – COBRIMENTO OU TELHAMENTO

O mercado oferece uma diversidade de materiais para telhamento de coberturas, cuja escolha na especificação de um projeto depende de diversos fatores, entre eles o custo que irá determinar o patamar de exigência com relação à qualidade final do conjunto, devendo-se considerar as seguintes condições mínimas:

a)    deve ser impermeável, sendo esta a condição fundamental mais relevante;
b)    resistente o suficiente para suportar as solicitações e impactos;
c)    possuir leveza, com peso próprio e dimensões que exijam menos densidade de estruturas de apoio;
d)    deve possuir articulação para permitir pequenos movimentos;
e)    ser durável e devem manter-se inalteradas suas características mais importantes;
f)    deve proporcionar um bom isolamento térmico e acústico.

6.1 – Chapa de Aço Zincado

a)    existem perfis ondulados, trapezoidais e especiais;
b)    podem ser obtidas em cores, com pintura eletrostática;
c)    permitem executar coberturas com pequenas inclinações;
d)    podem ser fornecidas com aderência na face inferior de poliestireno expandido para a redução térmica de calor;
e)    principais fornecedores: Chapas Dobel (sueca), Mini Kalha Tekno e Perkrom.

6.2 – Telhas Autoportantes

a)    executadas com chapas metálicas ou concreto protendido, em perfis especiais (autoportantes) para vencer grandes vãos, variando de 10 a 30 metros, em coberturas planas e arcadas, sem a existência de estrutura de apoio;
b)    utilizadas em construções de galpões industriais, agrícolas, esportivos, hangares etc;
c)    principais fornecedores: Kalha Tekno, Imasa, Pimental, Macmetal, Cimasa, Cassol, Consid etc.

6.3 – Telhas Metálicas: de Alumínio ou de Aço

a)    fornecidas em perfil ondulados e trapezoidais;
b)    refletem 60% das irradiações solares, mantendo o conforto térmico sob a cobertura. São resistentes e duráveis;
c)    cuidado deve ser observado para não apoiar as peças diretamente sobre a estrutura de apoio em metal ferroso, as peças devem ser isoladas no contato;

6.4 – Telhas Plásticas

a)    fornecidas em chapas onduladas e trapezoidais, translúcidas e opacas, de PVC ou Poliester e em cores;
b)    principais fornecedores: Goyana, Tigre, Plagon, Trorion etc.

6.5 – Telhas Cerâmicas

a)    são tradicionalmente usadas na construção civil;
b)    tipos principais: francesa, colonial, plan, romana, plana ou germânica.

coberturas-10

6.6 – Telhas de Vidro

a)    formatos similares às telhas cerâmicas;
b)    utilizadas para propiciar a iluminação zenital.

6.7 – Telhas de Fibrocimento

a)    são fabricadas com cimento portland e fibras de amianto, sob pressão;
b)    incombustíveis, leves, resistentes e de grande durabilidade;
c)    fácil instalação, existindo peças de concordância e acabamento, e exigindo estrutura de apoio de pouco volume;
d)    perfis variados e também autoportantes, com até 9,0 m de comprimento.

6.8 – Telhas de Chapas Compensadas

a)    feitas com lâminas de madeira compensada, coladas a alta pressão;
b)    incombustíveis;
c)    alta resistência mecânica, suportando peso de cinco pessoas;
d)    refletem os raios solares, permitindo temperaturas interiores mais baixas;
e)    dimensões das peças: C = 2,2 m, L = 1,00 m, e = 6 mm.

6.9 – Telhas de Concreto

a)    telhas produzidas com traço especial de concreto leve, proporcionando um telhado com 10,5 telhas por metro quadrado e peso de 50 kg/m2;
b)    perfis variados com textura em cores obtidas pela aplicação de camada de verniz especial de base polímero acrílica;
c)    alta resistência das peças, superior a 300 kg.

coberturas-11

6.10 – Chapas de Policarbonato

a)    apresentadas em chapas compactas (tipo vidro) ou alveolares, transparentes ou translúcidas, em cores, praticamente inquebráveis (resistência superior ao do vidro em 250 vezes), baixa densidade, resistentes a raios ultra-violeta, flexíveis, material auto extinguível não gerando gases tóxicos quando submetido a ação do fogo;
b)    a aplicação de chapas de policarbonato, devido a variedade de tipos e espessuras, é a solução para inúmeras indicações, tais como: coberturas em geral, luminosos, blindagem, janelas e vitrines etc.;
c)    basicamente as chapas de policarbonato podem ser instaladas em qualquer tipo de perfil: de aço, alumínio ou madeira, porém, é necessário que tenham  boa área de apoio e folga para a dilatação térmica.

7 – ESTRUTURAS DE APOIO

As armações tipo tesouras correspondem ao sistema de vigas estruturais treliçadas, ou sejam, estruturas isostáticas executadas com barras situadas num plano e ligadas umas ao outras em suas extremidades por articulações denominadas de nós, em forma de triângulos interligados e constituindo uma cadeia rija, apoiada nas extremidades.

7.1 – Tipos de Tesouras

Independente do material a ser utilizado na execução de estruturas tipo tesoura, as concepções estruturais são definidas pelas necessidades arquitetônicas do projeto e das dimensões da estrutura requerida, onde podemos ter os seguintes esquemas:

coberturas-12coberturas-13

7.2 – Elementos de uma Tesoura e Terminologia

Para orientar a comunicação com o pessoal nas obras a terminologia das peças que compõem um telhado é a seguinte:

coberturas-14coberturas-15

7.3 – Detalhes de Ligações dos Elementos – Sambladuras e Entalhes

São tipos de ligações práticas entre duas peças de madeiras definidas após verificação das resistências das superfícies de contato ao esmagamento e, às vezes, ao cisalhamento de um segmento da peça (caso específico dos nós extremos da tesoura).

coberturas-16coberturas-17

coberturas-187.4 – Detalhes dos Elementos de Amarração

São os elementos de amarração e de ancoragem que proporcionam a ligação que deve existir entre a edificação e a cobertura. Usualmente os elementos de amarração são constituídos de barras, braçadeiras, cantoneiras ou chapas de aço colocados de forma a fixar as tesouras ou cavaletes firmemente nas lajes, vigas ou paredes da construção de forma a suportar os possíveis esforços médios de arrancamento ou movimentação da cobertura (ventos, chuva,  e dilatação térmica).

coberturas-197.5 – Detalhes dos Elementos de Ancoragem

Os elementos de ancoragem são necessários quando são maiores os esforços de arrancamento da estrutura de cobertura, exigindo dessa forma a execução de dispositivos de aprisionamento das tesouras com maior critério. Nos esquemas a seguir são mostrados sete tipos de ancoragem mais usuais e seus resultados em termos de desempenho (carga média de ruptura).

coberturas-20

7.6 – Detalhes dos Elementos de Captação de Água

Os elementos de captação de águas pluviais de coberturas compõem o sistema de coleta e condução das águas que vai desde o telhado propriamente dito até ao sistema público de destinação dessas águas (drenagem superficial e subterrânea da via pública). Em geral os elementos de captação e condução são executados em chapas de ferro galvanizado, mas podem ser de PVC rígido, fibrocimento ou concreto armado impermeabilizado. Na tabela a seguir são relacionadas as chapas de ferro galvanizado usuais existentes no mercado:

coberturas-21A colocação e fixação dos elementos de captação de água devem ocorrer pouco antes do arremate final do telhado e o engenheiro deve verificar os seguintes pontos antes de liberar a continuidade dos trabalhos, pois é prudente evitar retorno de operários sobre a cobertura para fazer reparos para não causar danos às telhas e acessórios e com isso provocar infiltrações e goteiras:

a)    conferir as emendas (soldas e rebites);
b)    verificar se o recobrimento mínimo é respeitado (8 cm em telhados comuns);
c)    fazer um teste de vazamento e caimento (ver se água fica parada em pontos da calha);
d)    ver se existem juntas de dilatação em calhas com mais de 20 m;
e)    verificar os pontos de impermeabilização

coberturas-22

GLOSSÁRIO

Água – é o tipo de caimento dos telhados em forma retangular ou trapezoidal (meia-água, duas águas, três, quatro águas).
Alpendre – cobertura suspensa por si só ou apoiada em colunas sobre portas ou vãos. Geralmente, fica localizada na entrada da edificação.
Amianto – originado do mineral chamado asbesto, composto por filamentos delicados, flexíveis e incombustíveis. É usado na composição do fibrocimento.
Beiral – parte da cobertura em balanço que se prolonga além da prumada das paredes.
Caibros – peças e madeira de média esquadria que ficam apoiadas sobre as terças para distribuir o peso do telhado.
Calha – é canal ou duto em alumínio, chapas galvanizadas, cobre, PVC ou latão que recebe as águas das chuvas e as leva aos condutores verticais.
Cavalete – é a estrutura de apoio de telhados feita em madeira, assentada diretamente sobre laje.
Chapuz – é o calço de madeira, geralmente em forma triangulas que serve de apoio lateral para a terça ou qualquer outra peça de madeira.
Clarabóia – é a abertura na cobertura, fechada por caixilho com vidro ou outro material transparente, para iluminar o interior.
Contrafrechal – é a viga de madeira assentada na extremidade da tesoura.
Cumeeira – parte mais alta do telhado no encontro de duas águas.
Empena, oitão ou frontão – cada uma das duas paredes laterais onde se apoia a cumeeira nos telhados de duas águas.
Espigão – interseção inclinada de águas do telhado.
Frechal – é a componente do telhado, a viga que se assenta sobre o topo da parede, servindo de apoio à tesoura. Distribui a carga concentrada das tesouras sobre a parede.
Platibanda – mureta de arremate do telhado, pode ser na mesma prumada das paredes ou com beiral.
Policarbonato – Material sintético, transparente, inquebrável, de alta resistência, que pode substituir o vidro, proporcionando grande luminosidade.
Recobrimentos – são os transpasses laterais, inferior e superior que um elemento de cobrimento (telha) deve ter sobre o seguinte.
Rincão (água furtada) – canal inclinado formado por duas águas do telhado.
Ripas – são as peças de madeira de pequena esquadria pregadas sobre os caibros para servir de apoio para as telhas.
Tacaniça – é uma água em forma triangular.
Terças – são as vigas de madeira que sustentam os caibros do telhado, paralelamente à cumeeira e ao frechal.
Tirante – é a viga horizontal (tensor) que, nas tesouras, está sujeita aos esforços de tração.
Treliça – é a armação formada pelo cruzamento de ripas de madeira. Quando tem função estrutural, chama-se viga treliça e pode ser de madeira ou metálica.
Varanda – área coberta ao redor de bangalôs (casas térreas), no prolongamento do telhado.

coberturas-25

NORMAS DO MINISTÉRIO DE TRABALHO
NR – 11 Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais
NR – 18 Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção

LINKS NA INTERNET
Brasilit – http://www.brasilit.com.br/
Eternit – http://www.eternit.com.br/
Imasa – http://www.imasatelhas.com.br/imasa.htm
Infibra – http://www.infibra.com.br/index1.htm
Isdralit – http://www.isdralit.com.br/
Lafarge – http://www.lafarge.com/
Perkrom – http://www.perkrom.com.br/
Precon – http://www.precon.com.br/
Rooftech – http://www.rooftech.com.br

BIBLIOGRAFIA
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA. Manual técnico de fibrocimento. São Paulo: Pini, 1988. 180p.
AZEREDO, Hélio Alves de. O edifício e sua cobertura. São Paulo: Edgard Blücher, 1977. 182p.
BAUER, L A Falcão. Materiais de construção. 5ª edição. Rio de Janeiro: RJ. LTC- Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1994. 935p.
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UEPG. Notas de aulas da disciplina de Construção Civil. Carlan Seiler Zulian; Elton Cunha Doná. Ponta Grossa: DENGE, 2000-2001.
DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFPR. Notas de aulas da disciplina de Construção Civil (segundo volume). Diversos autores. Revisor: Lázaro A. R. Parellada. Apostíla. Curitiba: DAEP, 1997.
ETERNIT. Catálogo personalizado on-line. Disponível na página: http://www.eternit.com.br/etertools/catalogo/. Acessado em 06/09/2001.
GUEDES, Milber Fernandes. Caderno de encargos. 3ª ed. atual. São Paulo: Pini, 1994. 662p.
KLOSS, Cesar Luiz. Materiais para construção civil. 2ª ed. Curitiba: Centro Federal de Educação Tecnológica, 1996. 228p.
PETRUCCI, Eládio G R. Materiais de construção. 4ª edição. Porto Alegre- RS: Editora Globo, 1979. 435p.
RIPPER, Ernesto. Como evitar erros na construção. 3ª ed.rev. São Paulo: Pini, 1996. 168p.
RIPPER, Ernesto. Manual prático de materiais de construção. São Paulo: Pini, 1995. 253p.
SOUZA, Roberto…[et al.]. Qualidade na aquisição de materiais e execução de obras. São Paulo: Pini, 1996. 275p.
VERÇOSA, Enio José. Materiais de construção. Porto Alegre: PUC.EMMA.1975.

Fonte:  UEPG e  Portal Metálica

LOGO 2013-02

 

Tags: , , , , , , ,

Imagem

Merry Christmas – Happy New Year

Boas Festas 2015-16 000

 

Tags:

Rio 2016 – Complexos Esportivos – Barra e Deodoro

O projeto olímpico para o Rio 2016 tem como regra fazer com que os eventos sejam realizados de forma eficiente e, ao mesmo tempo, de forma simples e econômica, deixando um legado tangível para a cidade e seus moradores.

As instalações terão padrão de excelência para as práticas esportivas. Projetos alinhados às funções e demandas das diferentes modalidades esportivas, sem luxo e/ou excessos.

00 Parque Olimpico

Construído por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), o local terá boa parte de seu espaço destinada a empreendimentos residenciais e comerciais depois da Olimpíada.

02 barra-2012-1

Além de se transformar em um parque público, o restante da área deverá ter uso compartilhado por estudantes da rede municipal e por atletas de alto rendimento, em espaços que terão supervisão do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

02 barra-2012-1

Hotel

Nos Jogos: Será um hotel de quatro estrelas novo e permanente, com 404 quartos para hospedar parte da mídia credenciada Legado: Estrutura será mantida como empreendimento privado depois dos Jogos Olímpicos

MPC (Centro Principal de Mídia)

Nos Jogos: Vai servir de base para a imprensa nacional e internacional credenciada (MPC, na sigla em inglês) Legado: O local se tornará um prédio de escritórios com uma torre de 17 andares, com mezanino, dois subsolos e garagem

IBC (Centro Internacional de Transmissão)

Nos Jogos: Centro de radiodifusão, destinado ao atendimento das operações das emissoras de TV Legado: Parte da estrutura que será desmontada, como vigas e pilares, será utilizada na construção do alojamento da pista de atletismo. O restante vai virar escritório

01 Implanta 1

01 Implanta 2

Estádio Aquático

Palco de uma das principais competições da Olimpíada, o Estádio Aquático também foi projetado de maneira a se transformar em dois centros de treinamento com piscina olímpica para depois dos Jogos do Rio, no próximo ano.

06 Estadio Aquatico

  • custo:                   R$ 217,1 milhões
  • 1º evento teste:    abril/2016
  • arquitetura:           GMP Design e Projetos do Brasil; SBP do Brasil; Projetos; Lumens Engenharia
  • construtora:          Consórcio Onda Azul (Zadar /Engetécnica Serviços e Construções)

09 Estadio Aquatico

Na competição, a sede da natação e polo aquático terá duas piscinas, sendo uma de aquecimento, feitas pela empresa Myrtha, especializada no assunto e que fez as piscinas do Mundial de Esportes Aquáticos, em Kazan, na Rússia.

Muitos Estados brasileiros não possuem uma piscina com medida olímpica, ou seja, com comprimento de 50 metros. Então, diversos municípios já estão pleiteando receber a estrutura após a Olimpíada.


CENTRO DE TÊNIS

10 Quadra Tenis

A quadra principal será mantida e o local poderá receber eventos internacionais. Das 16 quadras na Olimpíada, apenas 9 vão ficar.


ARENA FUTURO

Sede das partidas de handebol e de golbol, na Olimpíada e na Paralimpíada, respectivamente, a Arena do Futuro foi pensada de modo que a montagem e a desmontagem fossem simples e ela pudesse se transformar em escolas depois dos Jogos.

12 Arena Futuro

13 Arena Futuro

  • capacidade:        12 mil lugares
  • custo:                  R$ 146.8 milhões
  • 1º evento teste:   abril/2016

17 Arena Futuro Explodido

A fachada da instalação esportiva será a mesma da escola. Ela também terá os frisos que permitem a entrada de luz natural e ventilação, proporcionando um conforto térmico melhor.

O telhado também será reutilizado, pois as oito placas pré-moldadas serão levadas para outros lugares e farão a cobertura das quatro escolas. Até as vigas metálicas vão para as escolas, para dar suporte ao telhado.

Estrutura – Metálica

14 Arena Futuro Estrutura

Estrutura – Concreto

15 Arena Futuro Estrutura Concreto

As quatro escolas que serão construídas com a estrutura da Arena do Futuro serão para 500 alunos e terão 17 salas de aula cada.

Os ambientes serão adequados a um projeto de ensino de ponta, pois contempla sala multiúso e de informática, biblioteca e quadra poliesportiva coberta com arquibancada, entre outras instalações.

Ar-Condicionado

16 Arena Futuro Estrutura Ar Cond


ESCOLA

Quatro escolas que serão construídas com a estrutura da Arena do Futuro. Serão para 500 alunos e terão 17 salas de aula cada.

Os ambientes serão adequados a um projeto de ensino de ponta, pois contempla salas multiúso e salas de informática, biblioteca e quadra poliesportiva coberta com arquibancada.

17 Escola

  • 4 escolas
  • 500 alunos por escola
  • R$ 25.7 mi para desmontagem
  • 17 salas de aula
  • Auditório
  • Biblioteca
  • Estacionamento
  • Refeitório
  • Cozinha
  • Banheiros
  • Ar-condicionado
  • Quadra poliesportiva coberta com arquibancada

ARENA CARIOCA 1

Após a Olimpíada, o local será transformado em um espaço para treinamento de alto rendimento (boxe e tae kwon do) e para receber eventos. Contará ainda com uma grande academia, área médica, auditório e vestiário

20 Arena Carioca

Arena Carioca 1 – Durante os Jogos22 Arena CariocaArena Carioca 1 – Após os Jogos

 Após a Olimpíada, o local será transformado em um espaço para treinamento de alto rendimento (boxe e tae kwon do) e para receber eventos. Contará ainda com uma grande academia, área médica, auditório e vestiário

21 Arena Carioca


ARENA CARIOCA 2

Será um espaço de treinamento olímpico para atletas de alto rendimento em dez modalidades: judô, lutas, badminton, esgrima, levantamento de peso, tênis de mesa, tae kwon do, boxe, ginástica rítmica e ginástica de trampolim

23 Arena Carioca-2

Arena Carioca 2 – Durante os Jogos

24 Arena Carioca-2

Arena Carioca 2 – Após os Jogos

Será um espaço de treinamento olímpico para atletas de alto rendimento em dez modalidades: judô, lutas, badminton, esgrima, levantamento de peso, tênis de mesa, tae kwon do, boxe, ginástica rítmica e ginástica de trampolim

25 Arena Carioca-2


ARENA CARIOCA 3

Arena Carioca III – Durante os Jogos

27 Arena Carioca-3

Carioca III – Após os Jogos

No local será criada uma escola voltada para o esporte, recebendo cerca de mil alunos em horário integral. Serão 24 salas de aula, cozinha, refeitório, vestiários e espaço para a prática de mais de dez modalidades esportivas no Ginásio Experimental Olímpico e Paralímpico

28 Arena Carioca-3


VELÓDROMO

28 Velodromo

Após os Jogos, este velódromo fará parte do Centro Olímpico de Treinamento e contará com espaço de treinamento, seja em alto rendimento ou em projetos sociais, das modalidades boxe, tae kwon do, esgrima e levantamento de peso.  A pista de ciclismo será mantida.

28-1 Velodromo


ARENA RIO

Após o evento Rio 2016, a Arena Rio continuará recebendo eventos culturais, shows e esportivos como: basquete NBA e lutas de MMA.

Em janeiro/2015, foi inaugurado o Centro de Treinamento de Ginástica Olímpica.

29 Arena Rio


PARQUE MARIA LENK

Após a Rio 2016 esta estrutura será mantida e vai funcionar para receber atletas de alto rendimento, das escolas e de projetos sociais.

30 Parque Maria Lenk

Arquitetura Nômade

O conceito de arquitetura nômade norteou a construção de algumas instalações esportivas, tendo como princípio a relação de custo-benefício da arena. Isso foi pensado não apenas para o momento de levantar a obra, mas também com a manutenção que cada local precisa ter no futuro. A ideia era manter apenas as arenas que tivessem um uso efetivo após os Jogos.

A maior preocupação dos organizadores é evitar o chamado elefante branco, ou seja, uma instalação que tivesse uso em 2016, mas depois ficasse ociosa.

Os dois exemplos mais emblemáticos são a Arena do Futuro, que vai virar quatro escolas depois dos Jogos, e o Estádio Aquático, que se transformará em dois centros de treinamento com piscinas em lugares diferentes.


COMPLEXO DEODORO

O Complexo Esportivo de Deodoro será o segundo centro mais importante de disputas do Rio-2016. O local será sede de 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas.

Como recebeu provas do Pan de 2007 e dos Jogos Mundiais Militares de 2011, já tinha 60% das áreas de competição permanentes construídas. Essa parte do complexo está situada em área militar e continuará sob responsabilidade do Exército após a Olimpíada. Já as novas instalações – que compõem o chamado Parque Radical – serão transformadas em um grande parque público, com diversas atividades para a população.

40 Deodoro Implanta

Novas Instalações:

  1. Canoagem Slalom
  2. BMX
  3. Arena da Juventude

Instalações Provisórias:

  1. Mountain Bike
  2. Estádio de Deodoro

Readequações:

  1. Centro de Tiro
  2. Centro de Hóquei
  3. Piscina do Pentatlo
  4. Centro de Hipismo

Um parque dividido em cinco setores

Área do Parque: 490 mil m².

41 Deodoro Implanta

  1. Setor 1

A pista de BMX permanece, mas a de canoagem slalom vira um canal recreativo e um lago para recreação. Também terá quadras esportivas

  1. Setor 2

Terá ciclovia, trilhas ecológicas para caminhada e áreas para a prática de ginástica

  1. Setor 3

Receberá uma minipista de mountain bike e áreas de lazer com churrasqueiras

  1. Setor 4

Será um espaço para prática de esportes radicais, como skate e BMX, para iniciantes

  1. Setor 5

Terá um polo de inclusão digital, Clínica da Família e espaço sobre educação ambiental

O complexo fica na divisa das zonas norte e oeste, encravado entre os bairros de Anchieta, Campo dos Afonsos, Deodoro, Guadalupe, Jardim Sulacap, Magalhães Bastos, Parque Anchieta, Realengo, Ricardo de Albuquerque e Vila Militar.

Ele também faz limite com três municípios populosos da Região Metropolitana do Rio – Nilópolis, Nova Iguaçu e Mesquita.  A região é uma das mais pobres do Rio e com a maior concentração de jovens da cidade.


CANOAGEM – SLALOM

44 Canoagem - Slalom

Para receber a competição olímpica de canoagem slalom, a prefeitura precisou construir um lago artificial, que será aberto ao público para lazer. “O lago vai se tornar uma grande piscina.

Este equipamento, assim como a pista de BMX, fará parte do Parque Radical, que pode atender cerca de 1,5 milhão de pessoas”.

  • 8.424     lugares temporários
  • 25 milhões de litros é o volume total de água
  • 12 millitros de água por segundo são lançados para formar a correnteza

45 Slalom

Depois dos Jogos, ele também servirá para treinamento da equipe brasileira de canoagem. “A confederação e a prefeitura, com apoio do Ministério do Esporte, já estabeleceram os padrões básicos de funcionamento simultâneo para a comunidade e para o esporte.

Nos finais de semana será de uso público, e nos dias de semana haverá a utilização esportiva”, disse João Tomasini Schwertner, presidente da Confederação Brasileira de Canoagem.

A ideia é fazer algo nos moldes do que ocorre em Foz do Iguaçu, em Itaipu, onde um projeto social revela grandes talentos para a modalidade. “Mais da metade dos atuais integrantes da Equipe Permanente sediada em Foz do Iguaçu é de canoístas formados nessa escola”, revela Tomasini.


CANOAGEM – SLALOM

O Canal de Deodoro foi construído com a mesma tecnologia desenvolvida em Londres no Canal Lee Valley, onde ocorreram as disputas dos Jogos Olímpicos em 2012. Ambos foram projetados pelos norte-americanos John Felton e Bob Campbell, que já pensaram no legado após os Jogos.

Inicialmente, o canal de canoagem slalom seria desfeito, mas depois de uma negociação com a prefeitura do Rio chegou-se ao acordo de que ela será mantida. Nos fins de semana, a área de aquecimento se transformará em lago para o lazer.

46 Slalom - Legado


BMX

Os atletas de BMX sempre tiveram dificuldade para treinar no Brasil por não dispor de uma pista com padrão olímpico. Agora, com a construção do equipamento em Deodoro, e a manutenção dele para depois da Olimpíada, a realidade pode mudar. “Será um grande incentivo para os novos atletas e crianças que pensam em ter um futuro no BMX e também para as próximas gerações que defenderão o Brasil na Olimpíada”, diz Priscilla Stevaux, atleta da modalidade.

Ela participou do evento-teste realizado no início do mês. “Gostei muito da pista. Ela tem característica de salto, uma vantagem pra mim, já que este é meu ponto forte. O trajeto todo também é muito bom, principalmente na segunda reta, com uma sequência de saltos que exige muita técnica. É minha parte favorita”, conta.

  • 7.500     lugares temporários
  • 30 a 40 s é o tempo médio de uma volta na pista
  • 65 a 70 km/hé a velocidade média da modalidade

50 BMX Implanta

A criação da pista pode ajudar, inclusive, a modalidade a se tornar mais popular no País. A própria inclusão do BMX no programa olímpico, em 2008, já havia dado um grande impulso nisso. Agora a batalha da atleta será para se classificar para os Jogos.

51 BMX Detalhe


CAMPO DE GOLFE

Depois de 112 anos, o golfe volta à Olimpíada e já tem lugar assegurado entre as principais polêmicas dos Jogos de 2016. Tudo por causa da decisão da prefeitura de permitir que uma área de preservação ambiental fosse usada para a construção do campo, que vai receber os melhores golfistas do mundo.

60 Campo de Golfe

61 Campo de Golfe

  • capacidade:15 mil lugares
  • custo:R$ 60 milhões

Fonte/Créditos:

Infográficos – O Estado de São Paulo


LOGO 2013-02


 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Grafeno: Dobrável e forte, o material do futuro !

Uso na indústria eletrônica tem amplo potencial e inclui aparelhos flexíveis, computadores quânticos e dispositivos vestíveis.

 

Grafeno-001

Trata-se de uma forma de carbono, um condutor de eletricidade e calor melhor do que qualquer outro. E não é apenas o material mais duro do mundo, como também um dos mais flexíveis.

O grafeno poderá revolucionar a indústria eletrônica com a produção de aparelhos flexíveis, computadores quânticos superpoderosos, roupas eletrônicas e computadores capazes de fazer interface com as células do nosso corpo.

Grafeno-005

A Sociedade Americana de Química anunciou em 2012 que o grafeno é 200 vezes mais resistente do que o aço, e tão fino que uma única onça do material (cerca de 28 g) pode cobrir 28 campos de futebol. Cientistas chineses criaram um aerogel de grafeno, um material ultraleve derivado de um gel, que pesa sete vezes menos que o ar. Uma polegada cúbica do material poderia equilibrar-se sobre uma folha de erva.

 

“O grafeno é um dos poucos materiais transparentes do mundo, condutor de eletricidade e calor e flexível – tudo ao mesmo tempo”, diz Aravind Vijayaraghavan, professor da Universidade de Manchester. “É extremamente raro encontrar todas estas propriedades juntas num único material.”

Grafeno-015

O que é possível fazer com o grafeno?

Físicos e pesquisadores acreditam que, em breve, poderemos fabricar produtos eletrônicos mais finos, mais velozes e mais baratos do que qualquer outra coisa feita de silício, com a opção de poderem ser transparentes e flexíveis.

Grafeno-016

Baterias de grande duração que podem ficar submersas na água são outra possibilidade.

Em 2011, pesquisadores da Northwestern University construíram uma bateria que incorporava grafeno e silício, o que, segundo a universidade, poderia permitir a produção de um telefone celular que “permaneça carregado por mais de uma semana e possa ser recarregado em apenas 15 minutos”.

Em 2012, a Sociedade Americana de Química informou que os avanços no campo do grafeno poderiam resultar em tecnologias de tela de toque que “permitiriam fabricar telefones celulares finos como uma folha de papel e dobráveis o suficiente para ser enfiados no bolso”.

Grafeno-014

Vijayaraghavan está construindo uma série de sensores de grafeno – inclusive sensores de gás, biossensores e sensores de luz – muito menores do que os atuais.

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Avançada da Samsung, que trabalham para a Universidade Sungkyunkwan, na Coreia do Sul, anunciaram que a Samsung descobriu como produzir grafeno de alta qualidade a partir de pastilhas de silício que poderia ser usado na produção de transistores de grafeno. A Samsung afirmou num comunicado que estes avanços significam que ela poderá começar a produzir “telas flexíveis, vestíveis e outros aparelhos eletrônicos da próxima geração”.

Grafeno-032

Cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, fabricaram alto-falantes de grafeno capazes de produzir um som de qualidade igual ou melhor à dos fones de ouvido comerciais Sennheiser. E bem menores.

Outro aspecto fascinante do grafeno é sua capacidade de ficar imerso em líquidos sem se oxidar, ao contrário de outros materiais condutores.

Segundo Vijayaraghavan, a pesquisa do grafeno conduz a experiências em que a eletrônica se integra a sistemas biológicos. Em outras palavras, poderão ser feitos implantes de grafeno no corpo humano capazes de ler nosso sistema nervoso ou conversar com nossas células.

samsung-grafeno-1

A Samsung não é a única companhia que trabalha no desenvolvimento do grafeno. Pesquisadores da IBM, Nokia e SanDisk realizam experiências com o material para criar sensores, transistores e memória de armazenamento. É provável que, quando estes produtos eletrônicos chegarem às prateleiras das lojas, sejam completamente diferentes de tudo o que vimos até agora.

Custo baixo

O fator mais importante é que o grafeno é extremamente barato.

Grafeno-022

Fonte:

Nick Bilton The New York Times / Tradução de Anna Capovilla

Fotos: Nicholas Petrone/The New York Times

www.promethod.com.br

 

 

Tags: , , , , , , , , ,

Natal / RN – Arena das Dunas

The Arena das Dunas is a football stadium designed by leading sports architect Christopher Lee of Populous to host football matches for the 2014 FIFA World Cup held in Brazil.

natal_aerea_arenadasdunas-0000

externo_dunas

 

Projetado para ser um local multiuso, o estádio vai sediar eventos esportivos, feiras e shows, além dos 22.000 m2 de praça ao ar livre em volta do estádio.

poscopa_dunas

O projeto do arquiteto australiano Christopher Lee (que também assinou o projeto do Estádio Olímpico de Londres) foi inspirado nas paisagens de dunas de Natal, dando um aspecto único à construção.

natal_aerea_arenadasdunas-089

A fachada e a cobertura são integradas e compostas por 20 “pétalas”, projetadas para serem mais altas em um dos lados do estádio, dando a forma e a ideia do movimento das dunas de areia, comuns na região. O projeto também permite maior ventilação e entrada de luz no estádio.

As estruturas em forma de pétala do telhado são feitas de treliças de aço, cobertas por fora com telhas de alumínio, com isolamento térmico e acústico. Internamente, são revestidos com uma membrana tensionada de PVC. As peças são unidas por policarbonato translúcido, o que permite que a passagem da luz.

Populous-completes-Arena-das-Dunas-for-FIFA-World-Cup-2014_dezeen_12

A cobertura da Arena também foi projetada para captar água da chuva. As calhas que coletam a água a conduzem para nove reservatórios instalados sob as arquibancadas inferiores. Como resultado, a até 3.000 metros cúbicos podem ser capturados e reutilizados nos sanitários e para a irrigação do campo.

natal_aerea_arenadasdunas-084

 Os torcedores que forem aos jogos e eventos no estádio vai perceber um novo padrão de conforto e segurança, que começou a ser visto no país com as novas arenas.  O estádio conta com estacionamento coberto, auditório, camarotes, Espaço Vip, telões em alta resolução, centro de comando e controle e quatro diferentes tipos de assentos.

natal_aerea_arenadasdunas-015

O acesso é privilegiado, já que ela está localizada no centro de Natal. São 75 catracas que permitem acessar as 21 entradas que levam aos quatro níveis da arena.

São 18 escadas e três rampas para atender às pessoas com mobilidade reduzida. Ao redor do estádio há 20 escadas metálicas que levam às arquibancadas superior e inferior, além de um anel que permite a circulação por todos os setores.

natal_aerea_arenadasdunas-070

A Arena das Dunas conta, ainda, com quatro lounges com capacidade entre 250 e mil lugares, 25 quiosques para comercialização de alimentos e bebidas, além de 30 banheiros.

Possui capacidade para 42.000 espectadores com 10.600 assentos removíveis.  São quatro tipos de assentos, em diferentes tons de azul: para o público geral, hospitalidade, VIP e Very VIP. Todos rebatíveis e com encosto. A diferença entre eles é que, em alguns setores, as cadeiras têm braços, estofamento e guarda-copos.

Também foram reservados 521 lugares para pessoas com deficiência. A escolha pelas cores foi uma opção no projeto arquitetônico, como explica Charles Maia, diretor da Arena das Dunas. “É um azul degradê. Torna-se uma espécie de oásis, compatível com o desenho do projeto. São quatro tons de azul, dando ideia de movimento”, explica.

Arena Dunas

Acessibilidade

Com rampas, elevadores, assentos para obesos, espaço reservado para cadeirantes, informação visual e piso com sinalização tátil do portão de entrada à arquibancada, a arena atende a todos os requisitos de acessibilidade.

“A arena está acessível em todos os níveis, com rampas e elevadores. Nos camarotes há banheiros acessíveis, ao redor da arena há sanitários masculinos e femininos com acessibilidade, bem distribuídos para atender a todos os portadores de necessidade especiais. Há piso tátil desde o portão externo, passando pelas bilheterias, até chegar à arquibancada”, detalha Charles Maia.

No total, os 521 assentos para deficientes disponibilizam 269 lugares para pessoas com mobilidade reduzida, 74 para obesos e 104 espaços destinados aos cadeirantes.

natal_aerea_arenadasdunas-085

Mais conforto

Os torcedores que chegarem com o próprio veículo terão 2.500 vagas de estacionamento, sendo 557 cobertas. Há vagas destinadas a deficientes, idosos, carros que usam energia limpa, motos, ônibus, além de um bicicletário. Localizado no térreo, o estacionamento coberto tem elevadores que dão acesso direto aos camarotes.

Foram construídos 39 camarotes, com 30 ou 50 lugares, dependendo da localização. Mobiliados com mesas, cadeiras, sofás, balcão e TV, cada camarote possui banheiro privativo e conta com serviços exclusivos. A arena também tem quatro lounges (com 250, 500 e dois com mil lugares), com sanitários privativos e os mesmos serviços dos camarotes.

natal_aerea_arenadasdunas-088

Tecnologia e Segurança

A segurança do estádio será coordenada pela equipe presente no Centro de Comando e Controle da arena, instalado em uma sala com mais de 80m², com equipamentos que permitem o monitoramento das imagens captadas por 200 câmeras, capazes de fazer reconhecimento facial dos torcedores.

“A sala de comando fica conjugada com o pessoal que controla o som e os telões. Ela fica no nível dos camarotes. Temos mais de 200 câmeras que fazem a cobertura de todas as áreas externas e internas. Quem está na arena está sendo visto pelo pessoal da sala de comando e controle, com equipamentos que fazem identificação facial”, afirma Charles Maia.

As informações ao público e os lances do jogo são transmitidos, com clareza, pelo sistema de som e pelos dois telões de 64m² (10,4m de largura e 6,22 de altura). Os telões estão instalados na cobertura, nos setores sudeste e noroeste, e transmitem imagens em alta resolução.

Em caso de emergência, o projeto da arena foi pensado para que o tempo de evacuação seja de, no máximo, oito minutos.

natal_aerea_arenadasdunas-090

 

Endereço: Av. Prudente de Morais, 5121 – Lagoa Nova, Natal – RN, 59020-510

Abertura: January 26, 2014

Ficha Técnica   

Área do terreno:                      450.000 m²

Área construída:                      412.000 m² – 122.000 m² (arena); 290.000 m² (centros administrativos)

Início do projeto:                     2008

Arquitetura:                               Populous Architects

Início das obras:                       junho de 2011

Conclusão das obras:             2013

Construção:                                OAS

Projeto básico                           R$ 13 milhões

Instalação das vigas                Após a conclusão da terraplenagem, construtora OAS começa instalação das vigas que sustentarão superestrutura do estádio

 

Fonte: Portal da Copa; http://www.metálica.com.br

LOGO 2013-00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags:

Estação Júlio Prestes – Dos trens à Sala São Paulo

Dos trens à Sala São Paulo – Estação Júlio Prestes, 75 anos.

A estação terá reforma de R$ 2,7 milhões em área da Secretaria Estadual da Cultura. Será beneficiada com a melhoria, a parte do prédio hoje ocupada pela Secretaria Estadual da Cultura.

O prédio da Estação Júlio Prestes foi construído entre 1926 e 1938, para ser sede da Estrada de Ferro Sorocabana, empresa criada pelos “barões do café” paulistas.

O projeto é de autoria do arquiteto Christiano Stockler das Neves (1889- 1982). Com a crise de 1929, entretanto, o plano teve de ser revisto – e a imponente construção ficou menor do que a ideia idealizada.

JP Sala SP 01

Do apito dos velhos trens aos acordes das mais importantes orquestras do mundo. Assim pode ser resumida a história da Estação Júlio Prestes, cujo prédio, um marco da região central de São Paulo, tem completos 75 anos. E, uma boa notícia: está em fase de projeto, com obras previstas para início neste ano (2014) um novo restauro, orçado em R$ 2,7 milhões.

Será beneficiada com a melhoria, a parte do prédio hoje ocupada pela Secretaria Estadual da Cultura. O projeto desenvolvido pelo escritório Dupré Arquitetura & Coordenação, o mesmo responsável pela grande intervenção que, entre 1997 e 1999, transformou o então jardim interno do prédio em um moderno palco de concertos, a Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp).

JP Sala SP 02

“Na época, o maior desafio foi resolver a questão acústica. Por isso desenvolvemos um sistema de forros móveis”, explica o arquiteto Nelson Dupré.

Nas obras, serão recuperadas fachadas, instalações elétricas, hidráulicas e telefônicas, além de melhorias no paisagismo e na sinalização interna da estação.

JP Sala SP 03

JP Sala SP 04

“Das décadas de 1960 a 1980, a Estação Júlio Prestes experimentou um processo de decadência, com seu entorno”, diz o historiador Caio Passados Garcia, um dos monitores do tour oferecido diariamente para quem quiser conhecer mais sobre o prédio.

No início dos anos 1990, por causa de uma dívida que a Prefeitura tinha com o governo estadual, o imóvel foi repassado ao Estado. Anos depois, virou sede da Sala São Paulo e da secretaria.

Anexa ao equipamento cultural, a estação de trem continua funcionando. É ponto inicial da Linha 8 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), por onde passam diariamente, em média, 430 mil pessoas.

JP Sala SP 05

O som não atrapalha em nada os eventos culturais ali dentro, graças a vidros antirruído. “E, no caso da sala de espetáculos propriamente dita, há um revestimento especial no chão com quatro camadas: concreto, neoprene, madeira naval e só então o piso visível ao público”, diz Garcia.

Toda a localização das poltronas, balcões e espaços vazios foi pensada e projetada para que os volumes internos também trabalhassem a favor da sonoridade da Sala São Paulo.

JP Sala SP 06

 Fonte/Créditos: EDISON VEIGA / TEXTO, EDUARDO ASTA / INFOGRÁFICO – O Estado de S.Paulo

LOGO 2013-00

 

 

 

Tags: , , , , , ,

Warren Buffet: Personal Tips

 

PROMETHOD

Tips by Warren Buffett

 

Tags: , , , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: